O dia em que a democracia radical venceu a democracia (burguesa), LUÍS AUGUSTO VIEIRA

18 jun

ImagemNos noticiários dos últimos dias os debates mais acalorados certamente estão voltados às ações de protestos contra as condições do transporte público brasileiro, sobretudo na modalidade do transporte público coletivo de passageiros. Somado ao descontentamento dos usuários pelos fartos motivos que todos conhecem (ônibus em números insuficientes, superlotados, atrasados, desconfortáveis, caros, dentre outros), as ações reivindicatórias mobilizadas por jovens espalhados e organizados em diferentes cidades do Brasil, pautaram tal questão e arrancaram, com as manifestações de rua, desde a redução das tarifas até a remodelação (ou ao menos o que foi possível) do seu sistema, onde Goiânia é o exemplo. Mas, para além disso, tal movimento, que vem se organizando desde a primeira metade dos anos 2000, pautou o cenário das lutas nacionais, não somente pela bandeira do transporte publico coletivo, mas, sobretudo pela ousadia e insistência de suas ações para atingir seus fins. Flash no rádio e TV, dos grupos organizados volta e meia chamaram a atenção pelo fato de aglutinar diferentes setores da juventude (secundaristas, universitários, militantes partidários, anarquistas e uma gama de outros), mas, marcadamente pelas históricas ações de protestos próprias da juventude, prenhes de criatividade, coragem e resistência (para a grande mídia, tachados de atos de vandalismo).

Como já arrolado, algo que aos olhos de alguns aparece como novo, na verdade já vem se acumulando ao longo de anos, seja pela sua forma organizativa e de ação, seja pelas suas diversas conquistas (redução dos preços de passagens, passe livre, meia passagem para estudantes e trabalhadores desempregados, entre outros já são colocados no “hall” das conquistas históricas do movimento e isso em importantes cidades e capitais do Brasil). E mesmo havendo similitudes há que se analisar com mais cuidado a forma como as lutas foram engendradas, pois, embora guardando nuances como, a juventude na rua e ações radicalizadas nem sempre esse foi o tom das manifestações.

Por esses dias certamente o caso mais emblemático ocorreu (e tem ocorrido) na capital do estado de Goiás, Goiânia. No momento do anúncio do aumento das tarifas de ônibus, a juventude e outros setores, se organizaram, marcaram o dia, o local e a hora dos protestos, fizeram o chamamento (destaque ao papel das redes sociais), e foram às ruas. Até aí quase nada de novo, o “elemento inovador” da organização de tal massa e sua prática comprova-se por sua disponibilidade em operar nos moldes dos carbonários dos séculos passados. Logo nas primeiras manifestações: chamas crepitando, jovens saltando ao seu redor com punhos serrados para o alto, palavras de ordem, a cabeça e o rosto quase sempre cobertos, as mochilas (os cocktails molotovs), paus, pedras e a clareza da rudeza quando o confronto é de classes – e que venha a cavalaria. Essa era a disposição daqueles que lá estavam, se não de todos, mas foram eles que deram o tom, ousado e original das manifestações.

E foi exatamente essa disposição para a luta e o enfrentamento que fez o velho se tornar novo mais uma vez, recuperando uma forma de tática e ação, que há muito vem sendo negligenciada e abandonada pelas esquerdas, seja por se acomodarem na busca de um consenso mistificado em nome da democracia burguesa, por desacreditarem dessa forma de ação, por estarem calejados e cansados dos desdobramentos que esse tipo de ação pode acarretar em suas vidas pessoais, por se verem em uma situação em que a ideologia dominante (leia-se a burguesa) avançou tanto que só o fato de tomar as ruas por esses dias já se coloca como “revolucionário”, ou por tantos outros motivos, mas o fato é que as ações radicalizadas em Goiânia mostraram que sempre é tempo de ousar e que ainda há espaço para novas e velhas formas de ação.

O resultado não poderia ser mais animador: pautaram a questão do transporte nos principais veículos de comunicação e, por conseguinte na sociedade, denunciaram a violência do Estado quando as manifestações são de interesses outros e não os da elite dominante arrancaram a redução da tarifa de transporte e a reorganização, possível, do transporte público de Goiânia (é só observar a propaganda do governo municipal goiano falando do “Ganha Tempo”, espécie de Bilhete Único paulistano).

E se isso não bastasse, a chama se espalhou por outras cidades do Brasil, e como há muito não se via ações carbonárias organizadas nacionalmente se fizeram presentes em várias cidades e capitais. Na capital paulista foram para as ruas mais de 10 mil manifestantes em seguidas ocasiões, no Rio de Janeiro e demais localidades, idem, mas para além do número de manifestantes que tomaram as ruas e redes sociais, o que se assistiu foi a chama da indignação tomar conta de tais manifestações e o quanto aqueles que estavam presentes em tais atos estavam dispostos a isso, fazendo mesmo crer, que uma nova geração de revolucionários está presente, que as grandes mobilizações juvenis podem ter um caráter maior que levantar os braços e cantar junto com o cantor da moda, que a violência decorrida das periferias e favelas e das constantes brigas e ações de violência entre os jovens, pode ser canalizada para algo que valha a pena de fato, nesse momento a redução da passagem, ou o passe livre como apregoa seu principal movimento, mas num futuro porque não a transformação radical da sociedade.

E assim tem sido, a chama revolucionária se reascendeu nos dias em que a Democracia Radical venceu a Democracia (burguesa), evidenciando que a luta de classes é mais atual e necessária do que nunca.

(Luís Augusto Vieira, mestre em Serviço Social pela PUC-SP e professor assistente do Curso de Serviço Social da UFG – E-mail: lusaugustovieira@yahoo.com.br)

 

FONTE: http://arquivo.dm.com.br/texto/gz/121247

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: